sábado, 2 de abril de 2016

QUANDO FOI A ULTIMA VEZ...

Que você sentiu o vento noturno sem camisa?
Que olhou por minutos o céu observando o formato das nuvens ou a disposição das estrelas?
Que ficou em silêncio, apenas ouvindo o som do silêncio?
Que se interiorizou, e pensou na tua pequenez diante deste céu ou na estupidez das palavras que sem pudor rompem levianamente este silêncio?
Ou em quanta paz deixamos de sentir e transmitir por insistirmos em não sair para observar?

Hoje é minha noite. E as estrelas estão lá.