quarta-feira, 5 de outubro de 2016

NÃO HÁ CHEGADA

Apenas lembrando que desconstrução e reconstrução são projetos para uma vida.

Não há ponto de chegada, é utópico, nem ponto sem retorno. Não há perfeição, apenas aperfeiçoamento.

A plenitude então não pode ser encontrada a não ser no próprio caminho que nos leva ao objetivo.

Embora possamos lançar o olhar ao infinito, infinita beleza se encontra nas copas de árvore entrepostas entre lá e nós.

Que bom.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

BRASIL 2015 - 2016

Uma tarde fria, nublada e de garoa em Sampa. Eu me ponho a observar os acontecimentos narrados pela televisão e à exaustão nas redes sociais e sites/blogs de notícias. E resolvo escrever um pouco...

Sim, este blog desde sua criação em 2009 serviu como depósito das ideias que me vinham à mente. Já falei muito sobre amor, poesia, filosofia, espiritualidade, religião, política... E hoje vou dar continuidade à esse propósito.

Tenho tendências políticas, e estas dizem mais respeito à forma de equalizar as desigualdades sociais do que apego à figuras ou legendas - embora eu seja SIM filiado à uma legenda política para me inserir no modus operandi de nosso sistema político representativo. Sendo assim, minhas maiores preocupações são de que nós, sociedade brasileira, consigamos ter uma existência cada vez mais fraterna, com saúde e alimentação para todos, trabalhos dignos que remunerem bem e não tomem todo o tempo do dia das pessoas para que elas possam realizar lazer e quaisquer outras atividades que preferir, educação boa e crítica desde a pré-escola até o doutorado, etc...

Mas eu tenho me machucado ao longo dessa época, por ver pessoas queridas tomando posições horrendas! Sim, tenho percebido o debate político atual brasileiro abrir precedentes para que posturas de apoio e incitação à violência contra mulheres, LGBT's, minorias étnicas, e discursos a favor de tortura e torturadores, bem como a ridicularização dos Direitos Humanos! Sim, me machucado, pois não consigo manter uma postura zen quando vejo acontecer estas coisas!!! Há um incômodo, uma revolta que nasce aqui dentro e que se eu não me oponho firmemente à pessoas outrora queridas, me causam dores-de-cabeça, tristezas quase depressivas...

Sim, os tempos são maus...

Não estou aqui escrevendo para defender minha maneira de ver e assimilar os fatos, estou a denunciar que chegamos numa camada histórica onde os diálogos estão sendo soterrados, onde as informações com grandes mentiras e meias-verdades são propagadas sem nenhum pudor, onde ofendem amigos chamando-os de vagabundos ou quaisquer outras coisas por tomarem uma posição que, pelo que tenho observado, os xingadores conhecem pouco. Lembro-me de meu pai, contando quando eu ainda era pequeno no fim dos anos 80, das histórias passadas que diziam que "comunistas sequestravam crianças para fazer mingau" e que as pessoas realmente acreditavam nisso!!! Mas para piorar, vejo que muitas pessoas ainda acreditam nestas histórias...

É deprimente!!!

Dá para discutir se é melhor para o país mais políticas sociais ou incentivos para as grandes empresas, ou até um meio-termo, bem como as maneiras de se realizar tais coisas...

O que não dá é entregar uma geração, um país inteiro à violência e à propagação de ideias absurdas de preconceito, discriminação, repressão e ódio!

Mas talvez seja uma luta inglória: pessoas com dificuldade de lidar com qualquer coisa diferente de seu modo de pensar ou agir sempre existirão, e sempre tentarão impor essas coisas... logo, a batalha para mudar essas cabeças é quase perdida... a não ser se pensarmos no contrário disto tudo: aqueles que são irremediavelmente coerentes e carentes de evolução humana.

Quero ser destes últimos, sempre! Talvez eu me expresse menos nos ambientes virtuais, posto que o ganho tem sido quase nulo e o desgaste enorme. mas aqui embaixo, com os pés no chão e sujos da poeira das ruas, não apenas as palavras mas os exemplos e atitudes continuarão determinando a influência do que cremos.

Que assim seja.

...e aqui, as tardes de Sol tem mais vida!

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

DESABAFO ABERTO


Tudo o que nós que somos de uma ideologia de Esquerda (comunistas, trabalhistas, sociais-democratas, anarquistas...) temos passado nos últimos tempos se deve ao fato de que quando chegamos ao Executivo Federal e ao Legislativo, demos às mãos aos corruptos da Direita E da Esquerda, tendo em muito uma desculpa como "garantia de governabilidade" quando era a hora de se manter limpo, fiel aos votos e ter sempre "Apoio Popular".

Agora, que tudo ruiu e vemos os mesmos corruptos, ricaços de dinheiro público de 20/30 anos atrás tomando o Governo novamente, devemos levar sempre a lição:

A Esquerda é lugar do POVO!!! Não corrompa seus ideais! Não vote em candidato e/ou partido que se diz Progressista/Esquerda que se alia ainda hoje, após tudo, à corruptos, fichas-sujas!!!

A Reforma Política que precisamos começa aqui!

De resto, a gente vai ter que engolir muito sapo pelas escolhas erradas e/ou omissões.

terça-feira, 28 de junho de 2016

SOBRE A DOR

Hoje olhei para uma cicatriz que tenho em meu joelho e lembrei de quando eu era pequena e estava a correr pela calçada, tropecei e caí no chão. Olhei para o meu joelho cheio de sangue e achei que aquilo era dor.

Um tempo depois, tive aquele momento "criança com enxaqueca" e eu pensei que aquilo sim devia ser dor, porque doía, mas eu não conseguia ver.

Depois senti a dor dos outros através da TV. Brigas e fome e guerra e morte e sofrimento. Aquilo sim era dor. A dor da esperança diminuindo.

Já adolescente, alguém quebrou minha confiança e aquela dor foi pior que todas as outras anteriores.

Alguns anos depois, meu pai veio a falecer e eu me convenci de que aquela era a pior dor do mundo, porque não havia remédio que curasse aquela perda e o tempo apenas anestesiou parte daquilo que eu atribuí como a definição de dor.

Pouco tempo depois, vi minha mãe chorar diante das dificuldades que a vida jogou no nosso caminho. E junto com as lágrimas dela eu senti meu coração remendado partir mais uma vez. E a imagem do sofrimento da minha mãe me fez associar isso à palavra "dor".

Hoje em dia não consigo mais definir o significado de dor.
Mas aprendi que a intensidade dela (da dor) é proporcional à intensidade do amor que sentimos.
Nenhuma dor se sobrepõe aos momentos bons que vivi, às pessoas que amei, os momentos felizes que guardo até hoje.
E mesmo com todas as dores e cicatrizes, não me arrependo de ter amado tanto.

- Nathalia Shimazaki

segunda-feira, 6 de junho de 2016

NÃO SE PREOCUPEM...

Não se preocupem,

- Negros, indígenas ou outras etnias não se sobressairão sobre os brancos;
- As mulheres não estuprarão os homens;
- O movimento de lésbicas, gays, bissexuais e transsexuais não acabarão com a família fundada por dois heterossexuais;
- Nenhuma religião africana ou animista ou oriental, ou a ausência de crenças exterminará a fé cristã.

Essas coisas não acontecerão porque nós não permitiremos!

Lutaremos até que todos sejam respeitados por igual. "Nada a mais".

Mas há muito tempo é "a menos", e isso nós não mais permitiremos também.

#VaiTerLuta

sábado, 28 de maio de 2016

PERSIGO AS IGREJAS?

Há tempos falo em redes sociais abertamente contra as posições e métodos das igrejas brasileiras, católicas e evangélicas/protestantes, mas hoje gostaria de mais uma vez dizer à todos que isto não é por eu ser um "decepcionado com a igreja" ou por ser ateu/ateísta - sendo que esses tem também seus motivos e devem ser ouvidos.

Sigo a Cristo, e em meu "quarto fechado" oro, converso, dialogo com a Divindade representada em minha crença pela Trindade, e faço assim não porquê eu tenha certeza absoluta de que deva ser assim, muito ao contrário: tenho fé de que esta seja apenas a "melhor maneira para mim", e tenho minhas bases bíblicas, sociológicas, psicológicas, históricas e pragmáticas para ser assim - e mesmo assim me nego em ter certeza.

Assim sendo, creio que quando eu discursar aqui ou nos diálogos presenciais em pautas como homofobia, racismo (eca! não temos raças, temos etnias), machismo, separação plena de estado e religião, inclusão social e outras, e bater de frente com os discursos gerais das igrejas brasileiras e até mesmo de outras religiões, saibam que não é apenas o discurso de um ex-membro da Renovação Carismática Católica, ou co-fundador de Comunidade Cristã Interdenominacional/Ecumênica ou ex-líder de grupos de estudo bíblico nos lares de igreja evangélica pentecostal...

... não é apenas mais um discurso de um "decepcionado"...

É apenas por AMOR, que Ele colocou em mim e que devo retribuir com AMOR.

Nada mais, apenas

AMOR.

terça-feira, 17 de maio de 2016

POR ONDE ANDEI

Já tive minhas épocas de crise, onde achava correto esbravejar "bandido bom é bandido morto". Passei por várias crises existenciais, onde fui confrontado em não apenas opiniões mas em convicções. Eu li os vários lados de muitas histórias, buscando onde e como eu poderia conciliar valores e ideais como paz, igualdade, justiça, dignidade... Não parei em apenas uma filosofia ou num modo de pensar. Existencialista, niilista, anarquista, socialista... Ateísta, deísta, teísta calvinista, wesleyano ou aberto... "provei tanta fruta que te deixariam tonta"!

Há vários tons de cinza entre preto e branco, e ainda explorando. Mas uma coisa eu sei: apesar de ainda aprender e ver o quanto eu sou limitado, não sou mais raso e nem fútil. Não me contento com o mais fácil, prefiro fazer minha história a copiar o rascunho da história dos outros.

Frente a tudo o que há acima, não consigo mais enxergar o fundo do mar da existência. Já não sou mais raso.

sábado, 2 de abril de 2016

QUANDO FOI A ULTIMA VEZ...

Que você sentiu o vento noturno sem camisa?
Que olhou por minutos o céu observando o formato das nuvens ou a disposição das estrelas?
Que ficou em silêncio, apenas ouvindo o som do silêncio?
Que se interiorizou, e pensou na tua pequenez diante deste céu ou na estupidez das palavras que sem pudor rompem levianamente este silêncio?
Ou em quanta paz deixamos de sentir e transmitir por insistirmos em não sair para observar?

Hoje é minha noite. E as estrelas estão lá.

domingo, 20 de março de 2016

CRISTIANISMO GEROU SOCIALISMO EM MIM!

Meus últimos dias como membro de igreja incluíam um grupo de estudos que eu liderava num apartamento de irmãos abastados na Chácara Flora, bairro nobre de São Paulo, Zona Sul. Certo dia lendo a Bíblia, um versículo bateu com uma intensidade tão grande em mim, que após 7 anos não me recuperei. Dentro de todo o contexto de vida, ele foi a peça que faltava para que a religião implodisse dentro de mim e fosse soterrada. Dali pra frente, passaria os meus dias errando e acertando, buscando significar minha caminhada e lendo o mundo através desse versículo, como lentes, filtros...

"A religião que Deus, o nosso Pai, aceita como pura e imaculada é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades e não se deixar corromper pelo mundo."
Tiago 1:27

Amém.

Alguém aí entende a "gravidade" desse versículo proferido por São Tiago, irmão do Cristo?

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

POR QUÊ A PRESSA?

Foi com esta imagem de piada internética que um assunto me veio à mente e decidi colocar aqui essas ideias...

A figura é cômica, e satiriza o hashi (varetas usadas como talheres no oriente) e seu uso comparando com um garfo. Quando amigos me mandaram via Whatsapp eu deveria rir, mas não consegui. Me lembrei na hora sobre outras coisas que eu discutia com amigos por esses dias.
A questão é: o hashi pega pouca comida de cada vez comparando-o ao garfo ou à colher. E a sátira realmente mostra nossa agonia, nossa pressa, nossa falta de paciência em realmente aprender coisas novas. Parece que tudo tem que ter um resultado imediato! Quem hoje em dia investe tempo em algo qua não lhe dará um retorno imediato, principalmente financeiro? Sim, há os que o fazem mas somente após se convencerem de que é preciso desacelerar para que a vida não passe, e sim flua. É preciso investir tempo para aprender a manusear bem o hashi; mas "para quê irei aprender a comer com esses trecos"?!? "Para nada, apenas por aprender" não parece uma resposta satisfatória quando tudo o que se faz é baseado na imediata aplicação.

E pior: Para quê eu aprenderia a comer com hashi se no quesito tempo eu perderia para a agilidade e quantidade de comida por minuto da colher (Eu ri escrevendo isso... rsrsrsrsrs!)?!? Realmente não conseguimos ir mais devagar nem quando é necessário... hora de se alimentar deve ser calma e serena por vários motivos, entre eles o descanso de corpo e mente das atividades e a correta mastigação e digestão dos alimentos.

Hoje, inspirado pelo hashi, eu vou preferir desacelerar. Este é o convite deste modo de ser oriental hoje para mim. E quem sabe eu não traia meu modo metropolitano de viver mais uma vez e tire um cochilo como os indígenas após almoçar - com meu hashi?

O convite está feito! Bom proveito para nós!

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

SOCIEDADE E SEUS TALENTOSOS!

Já faz algum tempo que não escrevo, e neste retorno trarei à público uma simples reflexão vinda de minhas experiências recentes.

Como sabem, sou músico - Kalil "Rock" Bentes - e praticante de Karate no estilo Kyokushin Budokai, dois sonhos que consigo vivenciar. E por mais que eu não imaginasse durante a juventude, essas duas áreas carregam muitas semelhanças entre si sob diversos aspectos. Vejam só:

* TALENTO NATURAL x TREINO CONSTANTE - em ambos encontramos aquelas pessoas que desde muito cedo tem facilidade em desenvolver as técnicas e já encantam os que os assistem. Fato é que tanto na luta quanto na música, aquele que não tem uma rotina de repetição muitas vezes cansativa e maçante, nem um hábito de pesquisa e aprofundamento no assunto, embora faça bem determinadas coisas nunca chega a criar algo novo, sendo apenas um copiador/repetidor com pré-disposição física e mental; mas que rapidamente é superado por aqueles que se esforçam, pois sabem que não podem depender do talento natural. Como consequência, o grupo dos esforçados tem uma vivência muito maior, o que os capacita a serem mestres que tem didática para guiar outros discípulos.

* OS PRATICANTES SÃO ADMIRADOS - sim, pois fazer algo como katas firmes, cantar de maneira interpretativa e afinada, desviar de um golpe e nocautear num contragolpe fulminante ou fazer solos expressivos de guitarra é fora do comum, e tudo fora do comum encanta ("...e que os encantos nos movam!" ;) )

* SÃO DESPREZADOS PELA SOCIEDADE DE CONSUMO - sim, há um rancor no inconsciente coletivo com aqueles que costumam trabalhar, "ganhar a vida" fazendo o que amam, gerando felicidade para si próprios e para os que os admiram! Sim, parece difícil para as pessoas aceitar que muitas trabalham sem o estresse de cobrança de horários, relatórios, que acordem em horários diferentes, que cochilem durante o dia... a sociedade precisa que você "produza" de acordo com os parâmetros da indústria, para que você consuma e o ciclo vicioso nunca se interrompa; você por seu lado se recente dos que tentam viver de maneira mais amena (vide o clássico rancor paulistanos versus cariocas). E isso tudo de maneira inconsciente na maioria das vezes, pois os recentidos concientes geralmente de alguma forma alcançaram o "degrau de cima", onde controlam e lucram esmagando os sonhos e talentos.

Bem, existem outras semelhanças mas deixarei para uma próxima oportunidade, já que meu último ponto é quase que "the treta has been planted"!

Grande abraço, obrigado pela leitura, e acompanhem também lá pelo Facebook neste link!