sábado, 30 de novembro de 2013

DEDILHANDO A VIDA

Por Dani.

Quando as cordas começaram a vibrar
Uma nota soou perdida
A inteligência de suas palavras se liberta
É a desordem que causa em mim
Sua voz dança livre pelo ar
Entre seus dedos a música se inspira
Nessa canção que fez para a vida

Eu me perdendo nessa simplicidade sonora
Não tenho tempo para viver em vão
É vida que segue
Esse momento nem o tempo apaga
É melodia que paira no ar
O meu corpo se diverte
E faz meu sorriso se aliar

É a arte do som
Onde me perco em pensamentos
Em instantes que seus olhos brilharam
Nessa harmonia que é sua vida
Que irradia simplicidade, simpatia e energia.
Como não se apaixonar por isso?
Como não se apaixonar?

Muito obrigado, Dani. Lindo!

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

PELO OLHAR

"O olhar me revela um mundo diferente do qual me acostumei;
Hoje eu não estou à fim de ficar no meu...
Quero transitar entre o meu e o teu,
E criar um terceiro,
A partir de teu olhar!"

terça-feira, 26 de novembro de 2013

EU CREIO.

Talvez de uma maneira errada, mas eu creio.
Sem provas concretas, sem uma certeza absoluta... Mas eu creio.
Sem ter qualquer dos 5 sentidos excitado por uma provável presença, mas eu creio.
Não creio para buscar uma bênção, eu acho que ela chegou até mim.
Não creio para alcançar coisas a mais, meu trabalho me proporciona isso.
E mesmo quando esqueço que creio, Ele se mantém por perto. Porque eu não sei bem, mas deve ter a ver com um amor que Ele disse ter, de pai, mãe e irmão ao mesmo tempo! E Sua presença, quando lembro dEle, me inspira à paz, à misericórdia, à humildade... Tudo aquilo que eu preciso, enfim. Não como uma troca, imagino, mas como resultado de estar sentado à mesa com Ele, invisível...
...ou bem visível, travestido de gente como eu.
Gente que precisa de misericórdia, de carinho, de paz, de amor, de esperança e fé, para transmitir isso mesmo à outros.

E é mais ou menos assim que creio.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

A VOLTA

Que bom que o tempo passou,
Que as coisas mudaram, que os ventos indecisos espalham-se ao caos sem lembrarem-se de onde vieram...
É ótimo que o rio tenha passado e somente seu curso permaneça o mesmo.
É lindo ver que as voltas que o relógio deu não mudaram os nossos olhares.
Nosso olhar não mudou!
O que poderia explicar o fato de que há um carinho, uma meiguice, um bem-estar?
O tempo não pôde interferir naquilo que plantamos.
Que bom que nós não interferimos naquilo que nos atrai:
Somos os mesmos apesar das mudanças! Frente a 10 anos de novas experiências o encanto permanece imutável, intangível...
E é muito bom ser alegria um pro outro, saber-se acolhido,
Saber-se querido,
Saber que há refúgio e colo logo ali!
Novos cheiros, novos focos, novas necessidades;
O mesmo olhar, mas com brilho renovado.
Que bom que as paralelas teimaram em se empenar,
Que bom que a gente pôde se encontrar!

Dedicado á VOCÊ!

domingo, 17 de novembro de 2013

POR FAVOR...

... não reclame se polemizo! Esse é o cerne do rock and roll, e pode ter certeza que não farei polêmica com coisas à toa. A falta de ÂNIMO, de VIDA nas pessoas é a causa de vivermos nesse buraco que se tornou meu amado Brasil.

Penso, logo polemizo; se pensasseis, polemizariam também; polemizo, logo VIVO!

MARGINALIZAÇÃO - pt. 1

A periferia precisa de vozes que defendam seus direitos de ter uma vida próspera e digna, para que com saúde e educação ela tenha sua própria voz.
A periferia não precisa de pessoas que apóiem sua falta de instrução, achando "bonito" ou "válido" expressões burras e criminosas oriundos da falta de oportunidade e de caráter.

A voz da periferia é a voz dos assalariados, dos idosos, dos deficientes, do GLBT, das mulheres, dos artistas e de todas minorias; minorias que assim como os habitantes das periferias metropolitanas PRECISAM REAVER SUAS VOZES no meio de tanta besteira, bobagem e perda de tempo.

Ninguém nos levará à sério se nós não nos levarmos primeiro.

NUNCA

Nunca vazio...
Sempre há algo que sinto e que me toma
Nunca indiferente...
É gostando ou não que levo um pé à frente do outro
Nunca é fácil...
Há sempre luta, sempre batalha... Uma paz conquistada à base de golpes, sangue, suor e cansaço
Num cara só há um universo único, com mundos, caminhos... Um cara que pode sentar à beira do lago e observar as marolas em sua superfície, com raios solares desfilando por sobre; ou apenas reparar no rejunte entre dois azulejos seus pequenos furos, imperceptíveis à distância mas atraentes portas de um mundo microscópico
E assim mesmo inexplorado mundo. Tal qual a mente deste ente capaz disso tudo.
Há uma barreira.
Há uma barreira?
O que contém represada os fascínios, fora do alcance dos que visitam talvez apenas o quintal deste pequeno lar?
Uma América às avessas, precisando ser descoberta pois que não se aguenta dentro de si, pedindo socorro para que lhe-se aliviem os vislumbres, os gritos, a nudez, a loucura e a sensatez...
Não é fuga... Não é revolta... Nem desleixo ou destrambelhamento...
É vida! Implorando para fluir, para compartilhar-se, para afortunar e assim ser.
É vida!
Nunca é morte...
Nunca menos... Se parecer menor, será ainda mais denso...
Nunca pouco...
Nunca fraco...
Frágil sim!
Nunca gota... Sempre chuva
Nunca sempre, posta sua dinâmica;
Sempre nunca, por sua teimosia.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

CAPACITADOS

Deus não escolhe os capacitados, nem capacita os escolhidos: escolhe à todos para que capacitem uns aos outros.

Me irrita a ausência de responsabilidade pelo próximo daqueles que invocam o nome dEle e a consequente esperança de que Ele resolva o que deveria ser não só a gratidão dos que creem, mas sim um movimento de amor em direção aos que precisam.

O foco nas interpretações tem destruído a mensagem do Evangelho.

E ainda assim Ele mora em mim.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

... E QUE OS ENCANTOS NOS MOVAM!

É... eu eu que pensei que fosse pra sempre...

Eu cri e vivi por escolher ser assim, e nada havia me impulsionado ao modo que escolhi; e isso até então foi o que cri.
O que me seduzia? A paz, a tranquilidade, o refúgio, o descanso? Ou a possibilidade de apenas ser e estar de um jeito que até então eu não imaginava?

Eu sei que até hoje pairam dúvidas sobre o que me moveu à buscar estes outros ares... eu poderia falar sobre amor, sobre paixão, fogo, volúpia, tesão, desejo, apetite... mas nada disso ainda.
Uma aventura! Sim, tinha que ser isso!
Foi o que tentei imaginar também... e não era simplesmente isso.
Até que então eu notei algo que move as decisões, os destinos e as vias de acesso: O ENCANTO!

Aí sim! Pensei que talvez qualquer motivo que eu imaginasse me levar a sair de um assento e tomar outro rumo seria recheado de ENCANTAMENTO. E mais ainda: o mesmo encanto, quando acabou por uma situação, se transferiu para outra... e então uma terceira me tomou!

Mas, que é isso?!? Descubro que SOU MOVIDO POR ENCANTOS?!?
Entendi que ENCANTAR-ME torna-se sine qua non daquilo que eu achava ser apenas minha mistura louca de hormônios e sentimentos, numa espiral influenciadora...
Hoje ainda não sei bem se vou por que quero ou por que sou levado a...
Somente continuo deixando QUE OS ENCANTOS ME MOVAM!
E que "para sempre" mesmo somente a sucessão destes ENCANTOS, enquanto eu durar... enquanto eu me aturar... enquanto eu me escrever... enquanto eu estiver ENCANTADO por mim.