quarta-feira, 14 de novembro de 2012

CARTA ACHADA

Ah, tá tudo muito assim: jogado, largado! Ninguém se preocupa com nada, as coisas acontecem por acaso, há uma violência até mesmo nos olhares, quanto mais nas palavras, gestos... eu, cheio de defeitos, acabo parecendo "santo" diante disto tudo! Não melhor, apenas não quero isso prá mim! Sabe, quero alegria, paz, sossego, liberdade... de verdade! É o que busco, de coração! Quero poder ajudar como eu puder quem precisar, "quero ter um milhão de amigos e bem mais forte poder cantar"! Ainda há espaço para mim? Ainda há outros como eu? Não quero mais me sentir sozinho, mas será que minha única saída será o exílio?!?! Poxa, amo tanto este lugar... todos nós nascemos aqui, mas ninguém se trata como irmão, como família...

"...há ferrugem nos sorrisos..."

Bem, se você ler isto, e sentir algo assim, saiba que não está sozinho, viu? Mas vou terminando sem colo, nem abraço, aperto de mão ou um sorriso camarada...

Exílio?

...