quinta-feira, 10 de maio de 2012

PALHETAS E PALHETADAS - A TONE QUEST!

Minha coleção de palhetas... muita pesquisa para achar o melhor som - e sempre sujeito à  mudanças!!!




Eu sempre digo que a utopia do guitarrista (o timbre perfeito) embora não tenha um ponto de chegada, tem um ponto de partida: a palheta e como é usada para atacar as cordas.


O som conseguido apenas com as palhetas varia muito, e cada uma vai te dar um mais aveludado (sem ataque) ou mais agressivo (com ataque), e isto está diretamente relacionado com a dureza do material (quanto mais duro mais ataque), sua espessura (maior espessura mais ataque) e a ponta (quanto mais fina, bicuda, mais ataque).

A maneira como tocamos com a palheta nas cordas é determinante para personalizar ainda mais o timbre: quanto mais inclinada (perpendicular) a palheta estiver em relação à corda, menos o ataque e com mais facilidade ela deslizará sobre a corda inclusive produzindo um som de "raspado"; e quanto mais reta (paralela) a palheta estiver em relação à corda, mais ataque será produzido e haverá uma maior dificuldade em palhetar, pois a palheta "prenderá" na corda - em compensação, pode se ouvir aquele som de "metralahadora"! Legal!!!

Pesquisar várias formas, tamanhos, materiais, e mudar a maneira de segurar a palheta - ou até mesmo a ausência da palheta, tocando com as pontas dos dedos ou unhas - são jeitos simples e eficazes de personalizar o timbre de um guitarrista.

Boa pesquisa!

KEEP ROCKIN'!!!