terça-feira, 22 de maio de 2012

LIBERDADE - VERDADE TR00!


"Quem teme a liberdade tem duas escolhas:
Se submeter à tirania ou tornar-se um tirano;
Quem é livre torna-se rapina dos outros dois."

quinta-feira, 17 de maio de 2012

NOS OLHOS, NO SORRISO...





Me recordo de ter lido uma entrevista no final dos anos 90 do Sérgio Dias Baptista, guitarrista e vocalista dos Mutantes, onde ele disse ter ido ao cinema assistir o festival de Woodstock. Assistindo à apresentação do Hendrix, ele olhou nos olhos do cara, e quando o Hendrix deu "aquela olhada", ele saiu do cinema na hora, porque, disse ele, "naquele momento entendi de onde vinha a música dele"

Vinha do interior do cara. Vinha do momento em que o mundo passava. Vinha do quanto ele gostava de estar num palco e tocar sua guitarra, e de querer ver o mundo mudar, ver a guerra acabar, viver em paz e tudo o mais no que ele acreditava!

Você acredita no quê, músico? No que você anda pensando, ouvinte? Para criar uma conexão musical não devemos usar somente os ouvidos (que Beethoven o diga) e sim tudo aquilo que faz parte do nosso ser, aquilo tudo que nos forma como pessoas, indivíduos!

Eu tenho postado em algumas redes sociais que creio que um sorriso ainda vai mudar o mundo, e é neste sentido: quando uma pessoa repleta de bem conseguir contaminar outras ao seu redor com apenas um sorriso; e quando as pessoas captarem a essência das outras desta forma também!

Parece difícil, ou papo de louco, porém:

1 - a música é a arte mais abstrata de todas;

2 - só parece difícil porque nós hoje estamos num momento muito "seco" da história humana, onde TER é maior que SER, e mais importante! Então ninguém se educa para subjetividades, nuances sutilezas. Resultado: falta de profundidade!

Resgatar aquilo que o mundo está perdendo em seu caminho pelo desenvolvimento FINANCEIRO: o DESENVOLVIMENTO HUMANO, CULTURAL!



KEEP ROCKIN'!

quarta-feira, 16 de maio de 2012

LÁ VOU EU FALAR SOBRE ELEIÇÕES...




Tá chegando a hora.

Em breve voltaremos às urnas para escolher prefeito e vereadores.

Vale a pena votar? Vale a pena não anular?

Sinceramente creio que sim. Até porque temos que nos envolver, pois a chave do controle destes que lucram em cima de nosso voto está nas diversas forma de nos omitir destes assuntos, e anular ou votar em branco são omissões – até porque aquele papo de que se uma maioria anular os votos é erro de interpretação da lei, podem pesquisar!

Ao invés de se omitir na hora do voto, lute pelo o que você acredita e precisa: escolha um candidato, vote nele, converso com amigos e familiares, cheguem à um consenso, e após a eleição, sendo teu candidato o que ganhou ou não, continue sem se omitir: acompanhe, se interesse, leia sobre as atitudes e medidas, mande e-mails, compareça à votações na câmara dos vereadores e se necessário, proteste, faça barulho!

Nossa sociedade está anestesiada, com preguiça, e reclamando “sentada na poltrona de um apartamento com a boca escancarada e cheia de dentes esperando a morte chegar”...

Sempre é hora de mudar.

Os indivíduos fazem a sociedade.

Para a sociedade mudar, o indivíduo deve passar por uma mudança.

MUDEMOS HOJE!

KEEP ROCKIN’!

segunda-feira, 14 de maio de 2012

FELICIDADE

Imagem sugerida por BRUNO MARTINI




"Felicidade é perseguir minha utopia; se eu puder alcançar o que persigo, então não serei feliz no meu caminhar; minha felicidade não estará mais no hoje, e sim num futuro que chegará e porá um fim nesta efêmera felicidade..."




A utopia é somente meu motor, a felicidade está em me mover.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

PALHETAS E PALHETADAS - A TONE QUEST!

Minha coleção de palhetas... muita pesquisa para achar o melhor som - e sempre sujeito à  mudanças!!!




Eu sempre digo que a utopia do guitarrista (o timbre perfeito) embora não tenha um ponto de chegada, tem um ponto de partida: a palheta e como é usada para atacar as cordas.


O som conseguido apenas com as palhetas varia muito, e cada uma vai te dar um mais aveludado (sem ataque) ou mais agressivo (com ataque), e isto está diretamente relacionado com a dureza do material (quanto mais duro mais ataque), sua espessura (maior espessura mais ataque) e a ponta (quanto mais fina, bicuda, mais ataque).

A maneira como tocamos com a palheta nas cordas é determinante para personalizar ainda mais o timbre: quanto mais inclinada (perpendicular) a palheta estiver em relação à corda, menos o ataque e com mais facilidade ela deslizará sobre a corda inclusive produzindo um som de "raspado"; e quanto mais reta (paralela) a palheta estiver em relação à corda, mais ataque será produzido e haverá uma maior dificuldade em palhetar, pois a palheta "prenderá" na corda - em compensação, pode se ouvir aquele som de "metralahadora"! Legal!!!

Pesquisar várias formas, tamanhos, materiais, e mudar a maneira de segurar a palheta - ou até mesmo a ausência da palheta, tocando com as pontas dos dedos ou unhas - são jeitos simples e eficazes de personalizar o timbre de um guitarrista.

Boa pesquisa!

KEEP ROCKIN'!!!

segunda-feira, 7 de maio de 2012

VERDADE #3

Sério mesmo... uma das coisas mais gostosas e libertadoras que aprendi a dizer foi

NÃO SEI!


Puxa! É ótimo não saber de tudo, não ter resposta prá tudo... sentir-se sempre em busca...


Não sei como tem gente que paga o mico de ter resposta prá tudo...

quinta-feira, 3 de maio de 2012

MÚSICO MENDIGO - Por César Ricky Mendes


Ser músico é uma benção. É uma dádiva divina.
O simples prazer de poder transformar em melodias e harmonias um sentimento seu, já faz de você alguém especial.
Toda arte tem a sua beleza, mas a música exerce um fascínio diferenciado. A música consegue ser atraente, apaixonante, provocante, reflexiva, arrebatadora e em muitos casos, até mesmo revolucionária.

Embora todas essas verdades e muitas outras possam ser ditas sobre a música, existe uma questão que nunca se cala: o músico, embora seja visto com admiração, é tratado como um mendigo.

Forte isso, não?
Pensa numa coisa. Os que conseguem destaque são uma minoria, e quando digo que são uma minoria, isso quer dizer que são muito menos do que o pouco que você imagina!
O que existe de músico num país como o Brasil, não é brincadeira. Brinco que existem os profissionais (que vivem da música), os amadores (que não vivem da música, mas amam a música além do hobby), e os gostadores (que gostam da música e muitas vezes se arriscam a tocar como hobby).
Mas vamos falar dos profissionais. Tem muito músico bom em nosso país.
Talvez, você nunca vai ouvir falar de alguns, mas pode acreditar numa coisa, um músico sensacional vive muito perto de você.

Assim como em todas as profissões, existem panelas montadas onde somente os incluídos conseguem espaço. Eu mesmo já estive envolvido em gravações onde "olharam torto" para mim porque eu estava "furando a panela dos amigos". Não sejamos hipócritas, isso existe.
Independente disso, acho triste a maneira como bons músicos são tratados. Ganham pouco, trabalham muito, divulgam-se sozinhos e quando ousam conseguir alguma coisa maior, são obrigados a se desdobrar para fazer dar certo (ainda assim, correndo o risco de serem "esquecidos" ou deixados como "plano B"). Ou seja, enganar um músico já virou algo comum em nosso país.

O músico brasileiro é tratado como um mendigo que depende de migalhas, moedas e mixarias para conseguir sobreviver.
Sempre tem alguém que adora o trabalho de um músico, mas muitas vezes, esse mesmo alguém também é o responsável por "passar a perna" no cara. Não significa que tudo tem que ser na base da camaradagem, afinal, negócios são negócios. Mas no meio musical, e na maneira como contratam um músico faltam duas coisas: honestidade e respeito.

Sempre observo uma quantidade imensa de jovens guitarristas que se matam na esperança de conseguir endorse de alguma marca. Na ânsia de serem reconhecidos, acabam fechando contrato com cada marca "peba" que produz uns intrumentos ruins, achando que fizeram um bom negócio. (Obs: "fechando contrato" é um modo fictício para dizer que o cara "ganhou" uma guitarra, onde ele teve que pagar 70% do valor para divulgar a empresa, no sonho de que seria ele o divulgado)
Esse é um claro exemplo de quem vive de migalhas!
Não sou contra endorse, de maneira alguma. Acho sensacional o cara conseguir isso, a única coisa que não pode funcionar como moeda de troca é o seu caráter e o seu nome. Mais do que conseguir uma "divulgação fictícia" do seu trabalho (embora existam os que fazem um trabalho sério) , o importante é ter personalidade e caráter.

Conheço diversas histórias de músicos que já tocaram em restaurante para ganhar comida. E se você acha que isso é mentira, deveria sair um pouquinho fora do Estado de São Paulo e conhecer a realidade de outros lugares.
Nada, abolutamente nada paga a nossa dignidade. Mas por muitas vezes, são os próprios músicos quem colocam a dignidade de todos os outros em jogo.

Se o respeito não vem da parte dos outros, pelo menos que venha dos próprios músicos. Seria muito melhor assegurarmos o respeito de nossa arte do que trabalharmos como prostitutas musicais.
Se um dia esse tratamento com o músico vai mudar é difícil dizer. Mas que podemos fazer valer um pouco mais o nosso valor próprio, não dizendo "sim" para tudo, com certeza podemos.


Publicado originalmente aqui!