domingo, 27 de dezembro de 2009

SERÁ EXAGERO OU LUCIDEZ?


Poderia ser que se não vivesse tanto,

Dor não sentisse, nem de amor;

Assim também poderia ser que,

Entre todos os afãs me entregasse ao de sobreviver.


Poderia também que quando recrutado,

Preferisse a segurança da deserção;

Vendo homens caindo ao meu lado,

Me rendesse à solidão.


Também haveria de preferir

Ao contrário da incerteza da fé

A segurança da descrença,

Em Deus, nos homens, na volta da maré.


Tudo isso deveria ser a estrada,

Que para trás fica ao lembrar;

Que mal haveria em passar como a justiça,

Pelos caminhos negando-me a visão?


Eu prefiro sentir dor, prefiro de tudo não saber;

Construir, arar, compor... Sujar as mãos!

Correr o risco de que, após se dar à vida,

De a vida mesma transbordar... É muito viver!

Kalil Bentes