segunda-feira, 23 de março de 2009

O LADO NEFASTO DA RELIGIÃO - pt.2


"A Volta do Filho Pródigo" - Pintura de Rembrandt, em sua visão do acolhimento que o Pai nos proporciona, e o qual devemos oferecer como cristãos .


Há um homem que conheci que frequentou uma confissão religiosa (Este negócio de chamar instituições religiosas de igrejas não é comigo...). Depois de haver se afastado de uma congregação na qual ele havia se decepcionado, resolveu com sua esposa ficar "de molho" um pouquinho, colocando as idéias no lugar, em casa.

Um pouco depois, este queridão conheceu uma outra congregação onde sentiu que o estudo era levado à sério, e, conversando com sua amada, resolver ir com ela e seus dois filhinhos participar das reuniões para conhecer a comunidade. A princípio, gostaram, e resolveram se engajar.

O tempo passa, e quando este casal de amigos consegue se sentir em casa novamente, vão a cada dia que passa sentindo algo estranho no ar; parece que muitos rostos em determinados momentos os olham com um certo desdém. Tentam seguir a caminhada, e pelo que me disseram, orando para que não seja nada demais.

Mas o que não poderia acontece: alguns membros desta comunidade de fé têm preconceito, e resistem em aceitar aquele bonito casal em seu meio. Ficam sabendo pelos códigos corporais e por outros irmãos que perceberam que um lugar que deveria ser o reduto da acolhida, compreensão, integração e convivência pluralista estava praticando hipócritamente a segregação social.

Conversando com este amigo, ele me revelou seu coração sangrento em tristeza pelo o que vem acontecendo, pois a segregação é velada, feita de maneira nefasta por "debaixo dos panos", mas que nunca iria retribuir de uma maneira igual ou pior; ele me disse que orava para Deus o fortalecer, pois gostaria de, como cristão, ter a alegria de dar, sem se importar muito com o que estava recebendo; disse que não abandonaria a comunidade - por hora - pois ele diz que ele deve ser a mão de Deus a acolher mesmo aqueles que o desprezaram; queria agir não como o jovem filho pródigo, nem seu endurecido irmão mais velho, mas como o Pai que acolhe a ambos.

Vi sua dor, mas vi sua esperança; o amor que vem de Deus, e que espera poder agir de maneira muito mais nobre do que aqueles que um dia acharam que sua esposa, filhos e ele mesmo valiam menos como pessoas por serem batalhadores de sol-a-sol, com todas as dificuldades em suas finanças.

Pedi à ele licença de publicar um pouco de sua história, sob a condição de que de maneira alguma citaria sua congregação nem seu nome. E gostaria eu de comentar um detalhe: é de se esperar que uma pessoa que passe por injustiça seja mais tolerante com o próximo, ok??? Tenham em mente que aqueles que praticaram (e ainda praticam!) essa barbárie são pessoas que já foram muito molestadas em São paulo: nordestinos e negros.

Senhor Jesus, nos dê a benção de crescer à Tua imagem e semelhança tal qual este pequenino Teu; toca o coração dqueles que o fecharam, e os ajude à entender que eles perdem por se afastarem dessa família que de fato busca fazer Tua vontade, e a perceberem que maldade tão grande é esta que machuca Teu coração: escandalizar Teus pequeninos. Tem misericórdia de nós, Senhor, e nos conduza à Tua face... no irmão... onde mais poderia estar???
Em Teu nome, Papai,
Amém.