segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

DÓRIA GREY e as FARMÁCIAS

Por Rafael Vieira

Andei pensando João... quanto essa ideia sabe... do tal fechamento das farmácias do sus pra melhorar a vida da gente... não querendo incomodar sua gestão.. e seu expediente de trabalho.. mas diga ai: se isso rolar como faço pra retirar meus medicamentos fracionados... sim porque às vezes a equipe da ubs fala com o pessoal da farmácia e eu retiro em alguns dias da semana, e a acs ( agente comunitário de saúde) sabendo o que eu tomo vai com a enfermeira e o farmacêutico lá em casa pra ver se estou tomando certo. Outra coisa Joao, se isso rolar quem vai na minha casa? vai ser o caixa da farmácia? Ela vai lá em casa? Sabe João aqui no posto eles se reúnem pra um tal de matriciamento, pra falar do meu caso e pensar melhorias pra mim e minha família, vai a equipe toda do posto incluindo claro o farmacêutico, técnico de farmácia, gerente.. você acha que da pra liberar o gerente da drogaria ou o operador de caixa pra ir no matriciamento? João e quando eu for na drogaria pegar meu medicamento, eu espero primeiro o farmacêutico terminar a venda dele, ou o balconista, pra que ele me atenda? Sim pois eles têm meta sabe João! Joao falando nisso tô com medo dessa tal de empurroterapia, vai que eles aproveitam e já me vendem um  vinolia, leite de rosas, Colorama, situação tá difícil não posso gastar sabe! João eles terão acesso ao meu prontuário, é que sempre que algo acontece comigo a equipe da farmácia registra pra que  todos saibam o que aconteceu. Será que se eu retirar mais que uma vez no mês, todos da ubs vão saber? E se minha receita vencer? O pessoal da farmácia sempre orienta e as vezes consegui a renovação da receita discutindo o caso com a equipe da ubs. João espero não estar atrapalhando... se vc estiver atrasado pra alguma festa a fantasia me avise! Outro dia vi você vestido de gari... achei super legal, mas a de cadeirante foi da hora! Ah minha família também retira medicamentos e outras coisas na farmácia do sus João, tão querendo saber se o pessoal da drogaria vai fazer grupos também como o pessoal das farmácias sus fazem pra vários públicos, sim porque não sei se o senhor sabe mas a dispensação na farmácia respeita muito as particularidades dos pacientes... e minha família é bem particular viu João, um pega medicação no caps, outro no dst/aids, outro no ama/ubs ... o familiazinha particular. João meu pai pediu pra perguntar se não dá pra direcionar investimos para as farmácias do sus ao invés de mudar tanta coisa? Meu pai também quer saber se a farmácia do zezinho vai receber as medicações ou só estas farmácias chiques com ar condicionado? Por sinal aqui na comunidade não tem nenhuma não viu! João onde vai caber toda essa gente retirando medicamentos, fraldas, tiras para diabetes, gazes, seringas.. olha aqui no posto vive cheio viu.. ! Desculpa João meu pai tá todo moderninho e lançou uma # pro senhor ler: #abasteceosusquedacerto. João pra terminar e não me prolongar mais, queremos saber quanto vai custar tudo isso em? Meu pai sempre diz que almoço nunca é de graça! Manda o orçamento pra gente João, quanto estas grandes redes irão cobrar pra entrar em contato com essa realidade, a nossa realidade???? Agora pro pessoal da drogaria, nada contra vocês... o trabalho de vocês tem muito valor... mas a ideia de fazer uma escolha de ir a um ambiente de compra e venda de insumos farmacêuticos deixar de ser uma escolha e virar obrigação, vira violaçao de direitos inclusive pro trabalhador da drogaria que também antes de tudo é cidadão ! E João a luta não é pela categoria farmacêutica essa se reinventa em vários setores, a luta é por assistência integral garantida pelo sus, conquistada e de direito. Sim assistência farmacêutica, a mesma que junto a equipe de cada unidade traz singularidade e respeito pelo usuário, com ou sem falta se insumos a assistência ali permanece e a resistência a retrocesso aqui se faz!

Obrigado João.

Ass: Cidadão SUS Violentado da Silva

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

NÃO HÁ CHEGADA

Apenas lembrando que desconstrução e reconstrução são projetos para uma vida.

Não há ponto de chegada, é utópico, nem ponto sem retorno. Não há perfeição, apenas aperfeiçoamento.

A plenitude então não pode ser encontrada a não ser no próprio caminho que nos leva ao objetivo.

Embora possamos lançar o olhar ao infinito, infinita beleza se encontra nas copas de árvore entrepostas entre lá e nós.

Que bom.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

BRASIL 2015 - 2016

Uma tarde fria, nublada e de garoa em Sampa. Eu me ponho a observar os acontecimentos narrados pela televisão e à exaustão nas redes sociais e sites/blogs de notícias. E resolvo escrever um pouco...

Sim, este blog desde sua criação em 2009 serviu como depósito das ideias que me vinham à mente. Já falei muito sobre amor, poesia, filosofia, espiritualidade, religião, política... E hoje vou dar continuidade à esse propósito.

Tenho tendências políticas, e estas dizem mais respeito à forma de equalizar as desigualdades sociais do que apego à figuras ou legendas - embora eu seja SIM filiado à uma legenda política para me inserir no modus operandi de nosso sistema político representativo. Sendo assim, minhas maiores preocupações são de que nós, sociedade brasileira, consigamos ter uma existência cada vez mais fraterna, com saúde e alimentação para todos, trabalhos dignos que remunerem bem e não tomem todo o tempo do dia das pessoas para que elas possam realizar lazer e quaisquer outras atividades que preferir, educação boa e crítica desde a pré-escola até o doutorado, etc...

Mas eu tenho me machucado ao longo dessa época, por ver pessoas queridas tomando posições horrendas! Sim, tenho percebido o debate político atual brasileiro abrir precedentes para que posturas de apoio e incitação à violência contra mulheres, LGBT's, minorias étnicas, e discursos a favor de tortura e torturadores, bem como a ridicularização dos Direitos Humanos! Sim, me machucado, pois não consigo manter uma postura zen quando vejo acontecer estas coisas!!! Há um incômodo, uma revolta que nasce aqui dentro e que se eu não me oponho firmemente à pessoas outrora queridas, me causam dores-de-cabeça, tristezas quase depressivas...

Sim, os tempos são maus...

Não estou aqui escrevendo para defender minha maneira de ver e assimilar os fatos, estou a denunciar que chegamos numa camada histórica onde os diálogos estão sendo soterrados, onde as informações com grandes mentiras e meias-verdades são propagadas sem nenhum pudor, onde ofendem amigos chamando-os de vagabundos ou quaisquer outras coisas por tomarem uma posição que, pelo que tenho observado, os xingadores conhecem pouco. Lembro-me de meu pai, contando quando eu ainda era pequeno no fim dos anos 80, das histórias passadas que diziam que "comunistas sequestravam crianças para fazer mingau" e que as pessoas realmente acreditavam nisso!!! Mas para piorar, vejo que muitas pessoas ainda acreditam nestas histórias...

É deprimente!!!

Dá para discutir se é melhor para o país mais políticas sociais ou incentivos para as grandes empresas, ou até um meio-termo, bem como as maneiras de se realizar tais coisas...

O que não dá é entregar uma geração, um país inteiro à violência e à propagação de ideias absurdas de preconceito, discriminação, repressão e ódio!

Mas talvez seja uma luta inglória: pessoas com dificuldade de lidar com qualquer coisa diferente de seu modo de pensar ou agir sempre existirão, e sempre tentarão impor essas coisas... logo, a batalha para mudar essas cabeças é quase perdida... a não ser se pensarmos no contrário disto tudo: aqueles que são irremediavelmente coerentes e carentes de evolução humana.

Quero ser destes últimos, sempre! Talvez eu me expresse menos nos ambientes virtuais, posto que o ganho tem sido quase nulo e o desgaste enorme. mas aqui embaixo, com os pés no chão e sujos da poeira das ruas, não apenas as palavras mas os exemplos e atitudes continuarão determinando a influência do que cremos.

Que assim seja.

...e aqui, as tardes de Sol tem mais vida!

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

DESABAFO ABERTO


Tudo o que nós que somos de uma ideologia de Esquerda (comunistas, trabalhistas, sociais-democratas, anarquistas...) temos passado nos últimos tempos se deve ao fato de que quando chegamos ao Executivo Federal e ao Legislativo, demos às mãos aos corruptos da Direita E da Esquerda, tendo em muito uma desculpa como "garantia de governabilidade" quando era a hora de se manter limpo, fiel aos votos e ter sempre "Apoio Popular".

Agora, que tudo ruiu e vemos os mesmos corruptos, ricaços de dinheiro público de 20/30 anos atrás tomando o Governo novamente, devemos levar sempre a lição:

A Esquerda é lugar do POVO!!! Não corrompa seus ideais! Não vote em candidato e/ou partido que se diz Progressista/Esquerda que se alia ainda hoje, após tudo, à corruptos, fichas-sujas!!!

A Reforma Política que precisamos começa aqui!

De resto, a gente vai ter que engolir muito sapo pelas escolhas erradas e/ou omissões.

terça-feira, 28 de junho de 2016

SOBRE A DOR

Hoje olhei para uma cicatriz que tenho em meu joelho e lembrei de quando eu era pequena e estava a correr pela calçada, tropecei e caí no chão. Olhei para o meu joelho cheio de sangue e achei que aquilo era dor.

Um tempo depois, tive aquele momento "criança com enxaqueca" e eu pensei que aquilo sim devia ser dor, porque doía, mas eu não conseguia ver.

Depois senti a dor dos outros através da TV. Brigas e fome e guerra e morte e sofrimento. Aquilo sim era dor. A dor da esperança diminuindo.

Já adolescente, alguém quebrou minha confiança e aquela dor foi pior que todas as outras anteriores.

Alguns anos depois, meu pai veio a falecer e eu me convenci de que aquela era a pior dor do mundo, porque não havia remédio que curasse aquela perda e o tempo apenas anestesiou parte daquilo que eu atribuí como a definição de dor.

Pouco tempo depois, vi minha mãe chorar diante das dificuldades que a vida jogou no nosso caminho. E junto com as lágrimas dela eu senti meu coração remendado partir mais uma vez. E a imagem do sofrimento da minha mãe me fez associar isso à palavra "dor".

Hoje em dia não consigo mais definir o significado de dor.
Mas aprendi que a intensidade dela (da dor) é proporcional à intensidade do amor que sentimos.
Nenhuma dor se sobrepõe aos momentos bons que vivi, às pessoas que amei, os momentos felizes que guardo até hoje.
E mesmo com todas as dores e cicatrizes, não me arrependo de ter amado tanto.

- Nathalia Shimazaki

segunda-feira, 6 de junho de 2016

NÃO SE PREOCUPEM...

Não se preocupem,

- Negros, indígenas ou outras etnias não se sobressairão sobre os brancos;
- As mulheres não estuprarão os homens;
- O movimento de lésbicas, gays, bissexuais e transsexuais não acabarão com a família fundada por dois heterossexuais;
- Nenhuma religião africana ou animista ou oriental, ou a ausência de crenças exterminará a fé cristã.

Essas coisas não acontecerão porque nós não permitiremos!

Lutaremos até que todos sejam respeitados por igual. "Nada a mais".

Mas há muito tempo é "a menos", e isso nós não mais permitiremos também.

#VaiTerLuta

sábado, 28 de maio de 2016

PERSIGO AS IGREJAS?

Há tempos falo em redes sociais abertamente contra as posições e métodos das igrejas brasileiras, católicas e evangélicas/protestantes, mas hoje gostaria de mais uma vez dizer à todos que isto não é por eu ser um "decepcionado com a igreja" ou por ser ateu/ateísta - sendo que esses tem também seus motivos e devem ser ouvidos.

Sigo a Cristo, e em meu "quarto fechado" oro, converso, dialogo com a Divindade representada em minha crença pela Trindade, e faço assim não porquê eu tenha certeza absoluta de que deva ser assim, muito ao contrário: tenho fé de que esta seja apenas a "melhor maneira para mim", e tenho minhas bases bíblicas, sociológicas, psicológicas, históricas e pragmáticas para ser assim - e mesmo assim me nego em ter certeza.

Assim sendo, creio que quando eu discursar aqui ou nos diálogos presenciais em pautas como homofobia, racismo (eca! não temos raças, temos etnias), machismo, separação plena de estado e religião, inclusão social e outras, e bater de frente com os discursos gerais das igrejas brasileiras e até mesmo de outras religiões, saibam que não é apenas o discurso de um ex-membro da Renovação Carismática Católica, ou co-fundador de Comunidade Cristã Interdenominacional/Ecumênica ou ex-líder de grupos de estudo bíblico nos lares de igreja evangélica pentecostal...

... não é apenas mais um discurso de um "decepcionado"...

É apenas por AMOR, que Ele colocou em mim e que devo retribuir com AMOR.

Nada mais, apenas

AMOR.

terça-feira, 17 de maio de 2016

POR ONDE ANDEI

Já tive minhas épocas de crise, onde achava correto esbravejar "bandido bom é bandido morto". Passei por várias crises existenciais, onde fui confrontado em não apenas opiniões mas em convicções. Eu li os vários lados de muitas histórias, buscando onde e como eu poderia conciliar valores e ideais como paz, igualdade, justiça, dignidade... Não parei em apenas uma filosofia ou num modo de pensar. Existencialista, niilista, anarquista, socialista... Ateísta, deísta, teísta calvinista, wesleyano ou aberto... "provei tanta fruta que te deixariam tonta"!

Há vários tons de cinza entre preto e branco, e ainda explorando. Mas uma coisa eu sei: apesar de ainda aprender e ver o quanto eu sou limitado, não sou mais raso e nem fútil. Não me contento com o mais fácil, prefiro fazer minha história a copiar o rascunho da história dos outros.

Frente a tudo o que há acima, não consigo mais enxergar o fundo do mar da existência. Já não sou mais raso.

sábado, 2 de abril de 2016

QUANDO FOI A ULTIMA VEZ...

Que você sentiu o vento noturno sem camisa?
Que olhou por minutos o céu observando o formato das nuvens ou a disposição das estrelas?
Que ficou em silêncio, apenas ouvindo o som do silêncio?
Que se interiorizou, e pensou na tua pequenez diante deste céu ou na estupidez das palavras que sem pudor rompem levianamente este silêncio?
Ou em quanta paz deixamos de sentir e transmitir por insistirmos em não sair para observar?

Hoje é minha noite. E as estrelas estão lá.